Foto: Reprodução

VALPARAÍSO: o coronelismo tucano

Por Fred Lima

Em 2008, o ex-governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), que havia perdido a eleição presidencial para Lula dois anos antes, não conseguiu se eleger prefeito da capital paulista, ficando em terceiro lugar na disputa. O tucano chegou no pleito como favorito, mas no decorrer do processo eleitoral viu sua candidatura ruir.

Em Valparaíso de Goiás, a deputada estadual e ex-prefeita Lêda Borges, correligionária de Alckmin, entrou na disputa este ano acreditando que venceria com facilidade a eleição para prefeito, porém, começa a ver sua candidatura ser desidratada por uma série de erros.

O primeiro deles é que Lêda se esqueceu que cada eleição é diferente da outra. Não se pode comparar um pleito para deputado estadual com o de prefeito, por se tratar de disputas completamente distintas. Por ter sido eleita e reeleita deputada, a ex-prefeita imaginou que sua aceitação estava em alta, ignorando os inúmeros processos que responde na Justiça, principalmente a condenação em primeira instância este ano por improbidade administrativa da época em que era prefeita.

Lêda Borges esqueceu que sua gestão foi reprovada nas urnas em 2012, quando perdeu a prefeitura para o PT. Além disso, deve ter imaginado que sua ligação umbilical com o ex-governador Marconi Perillo, preso na Operação Cash Delivery, não pudesse refletir negativamente em sua campanha.

A verdade é que Lêda é Marconi e Marconi é Lêda. Não adianta agora tentar esconder o ex-governador, quando, na verdade, todos sabem que é ele que está por trás de sua candidatura à prefeitura.

Condenada em primeira instância este ano por improbidade administrativa da época em que era prefeita, a deputada sabia que seus atos suspeitos seriam questionados durante a campanha. Por isso, montou um QG intransigente e armado, como um coronel do sertão, que não aceita ser contrariado. O resultado é uma campanha pouco propositiva e bastante confrontadora.

Na interminável construção de Valparaíso, Lêda ficará lembrada pela história como a política que quis ser tudo, utilizando o cargo de deputada como trampolim para alimentar sua fome de mandar e ser obedecida.

Da Redação

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.