A ‘geração Folha de S. Paulo’ não está preparada para Rambo 5

Tiros de fuzil, mortes violentas e sangue, muito sangue. O novo filme do Rambo, “Rambo: Até o fim” estrelado, como sempre, por Sylvester Stallone, chega aos cinemas com a violência de sempre, mas a Folha de S. Paulo criticou. O colunista Thales de Menezes dedicou seu espaço no jornal para comentar o longa.

“Rambo mata os sujeitos com facadas, tiros de espingarda que explodem cabeças, golpes de facão que cortam qualquer parte do corpo […] violência no estilo ‘tudo ao mesmo tempo agora’ […] ‘Rambo: Até o fim’ nunca deixa de ser um insulto moral e intelectual para a plateia.”, constatou Menezes.

A crítica do colunista vai se tornando cada vez mais divertida conforme avançamos no texto – mesmo que essa não tenha sido a intenção do autor. Ao ler a crítica, temos a sensação de que Menezes nunca assistiu aos filmes anteriores de Stallone.

Não há Rambo sem violência, cabeças voando fazem parte da essência da franquia. A cena clássica de Stallone descarregando seus dois fuzis em seus inimigos, gritando loucamente, não será apreciada pela “geração Folha de S. Paulo”. Violento demais para os homens “modernos” que reclamam que “palavras machucam”, consomem K-POP e vestem roupas quase femininas.

A masculinidade natural está se dissolvendo gradativamente no ocidente e, por essa e outras razões, Rambo se tornou obsoleto para 2019. (Terça Livre)

1 thought on “A ‘geração Folha de S. Paulo’ não está preparada para Rambo 5

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.