NAS ENTRELINHAS: Rafael Parente era o secretário de Educação da esquerda em um governo de centro-direita

Foto: Reprodução

Por Fred Lima

A exoneração de Rafael Parente da Secretaria de Educação do DF era algo premeditado. Com visões que se assemelham mais à ideologia de esquerda, o filho do ex-presidente da Petrobras era um peixe fora d´água no governo Ibaneis Rocha.

Hoje, o governador ditou a linha de sua gestão: “Chega de esquerdopatas”, uma alusão à resistência da esquerda com relação à gestão compartilhada nas escolas, algo que Rafael também se opunha em determinados pontos, como na votação para escolher qual o melhor modelo. Para ele, o chefe do Buriti tinha que respeitar o resultado da votação nas escolas, mesmo se tratando apenas de consulta.

O grande entusiasta da gestão compartilhada é o secretário de Segurança Pública, Anderson Torres, além do próprio governador.

Ao Metrópoles, Parente revelou de que lado está, inclusive no plano nacional: “Desde o início, lutei pela comunidade escolar e para que a democracia fosse respeitada, ainda mais em tempos tão estranhos como estes em que estamos vivendo”.

É anti-Bolsonaro e jamais se encaixaria em um governo que não chega a ser de direita, mas de centro-direita.

Da Redação

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.