Foto: Reprodução

ELEIÇÕES 2020: Em nome do poder valparaisense, Lêda Borges aceita em sua coligação até adversário que atacou a sua família

Por Fred Lima

“Poder é sempre perigoso. Atrai o pior e corrompe o melhor”. (Vikings)

A frase acima demonstra com clareza o que o poder é capaz de fazer, especialmente em ano eleitoral, onde alguns políticos passam a ter amnésia e dão as mãos a adversários históricos.

Nas eleições de 2016 e 2018, o ex-vereador de Valparaíso de Goiás, Afrânio Pimentel, foi um ferrenho adversário da ex-prefeita e deputada estadual Lêda Borges (PSDB-GO). Na campanha passada para deputado estadual, por exemplo, Afrânio atacou o filho da deputada, Marco Túlio de Moura Faria, que ocupava o cargo de diretor na Saneago, onde recebia mensalmente R$ 46.593,00, durante o governo Marconi Perillo.

Candidato a deputado estadual Afrânio Pimentel, na eleição de 2018. Reprodução

Antes, como vereador, Pimentel soltou a sua artilharia contra o ex-secretário de Saúde do município, Francisco de Carvalho Martins, se referindo ao vídeo onde o marido de Lêda recebia valores em espécie na antesala do gabinete da então prefeita. Agora, o ex-vereador está na coligação da tucana.

O então vereador Afrânio Pimentel, em sessão plenária na Câmara Municipal de Valparaíso de Goiás. Reprodução

Dois projetos estão em jogo na disputa para prefeito de Valparaíso. Apesar da dívida estratosférica legada por Lucimar Nascimento (PT) e a crise do Covid-19, Pábio conseguiu implementar um projeto de governo. Se for reeleito, dará continuidade. Já Lêda não tem projeto de governo, mas de poder, até porque o projeto que tinha foi rejeitado nas urnas em 2012.

A ex-prefeita quer voltar ao cargo apenas por sobrevivência política, em nome da tentativa de ressuscitar o marconismo. Com Ronaldo Caiado no Palácio das Esmeraldas, a deputada perdeu os cargos que tinha no governo goiano, fora o poder de influência na Assembleia Legislativa.

Restou agora se candidatar à função que exerceu durante os anos de 2009 a 2013, da qual foi condenada em primeira instância este ano por corrupção.

Da Redação

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.