Eu já fritei hambúrguer

Foto: Reprodução

Por Carlos Augusto Pinto

O filho do presidente Jair Messias Bolsonaro é uma figura. Eduardo Bolsonaro é deputado federal pelo PSL de São Paulo, já morou nos Estados Unidos, é amigo dos filhos de Donald Trump e já fritou hambúrgueres para ganhar a vida perto da fronteira com o Canadá.

Seu nome ganhou dimensão política nas últimas horas quando o pai ventilou a possibilidade dele ser indicado como o novo embaixador do Brasil nos Estados Unidos. Eduardo domina bem o inglês e espanhol, mas o pai parece não ter aprendido a máxima: “Abrindo os olhos se aprende mais do que abrindo a boca”.

Heródoto foi proclamado o pai da História entre 425-485 A.C por ter desenvolvido os meios pelos quais nós, do mundo ocidental, podemos avaliar a História e seus momentos mais importantes.

Encerrado o primeiro turno da reforma da Previdência percebe-se claramente que o deputado Rodrigo Maia, eleito pelo DEM do Rio de Janeiro, de bobo não tem nada ou não teria sido eleito, pela terceira vez consecutiva, presidente da Câmara dos Deputados. Chama o governo de desorganizado politicamente e, de fato, foi ele quem organizou todo o lado  Legislativo, e se impôs como chefe de Poder. Do contrário, a Nova Previdência teria ido para a “casa do chapéu”.

O filho do presidente da República é escrivão da Polícia Federal e foi lançado na política pelo pai, democraticamente eleito e repleto de boas intenções.

Rodrigo Maia é filho de Cesar Maia, ex-deputado federal e ex-prefeito do Rio, um economista respeitado no meio acadêmico com várias passagens pelo Congresso.

Jair Bolsonaro, de fato, vem mudando a forma de fazer política no país sem abrir milímetros que permitam qualquer gesto de corrupção. Maravilha. Mas, administrativamente, o seu governo é uma fábrica de crises.

Enquanto Maia é o vitorioso no Legislativo e tem o que falar até pelos cotovelos, Bolsonaro teve o nome evitado no discurso da vitória no plenário. Mas isso não quer dizer que Rodrigo dar-lhe-á as costas a partir de agora. Ainda não tem envergadura para isso.

O presidente da República precisa entender que ABRINDO OS OLHOS SE APREENDE MAIS DO QUE ABRINDO A BOCA.

COLUNISTA

Carlos Augusto Teixeira Pinto é carioca, vascaíno, de Vila Isabel, passou pelo Instituto de Letras e Ciências e fez estágio nos extintos Gazeta de Notícias e Jornal dos Sports, ambos do Rio de Janeiro. Foi produtor de rádio e TV no Rio e debatedor na Rádio Globo de São Paulo. Repórter especial nas rádios Nacional e Tupi do Rio. Repórter nas revistas Manchete e Fatos, além da Ele & Ela, revista masculina, concorrente da Playboy. Foi também correspondente da Editora Bloch em Recife. Trabalhou na Ultima Hora do Rio e Brasília, além do Jornal de Brasília e na Radiobrás. Repórter político por mais de vinte anos cobrindo Congresso e Planalto. E outros mais.

*Os artigos assinados serão de responsabilidade exclusiva de seu autor, não refletindo, necessariamente, a opinião do Blog.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.